Confira boas práticas para garantir a qualidade da armação de pilares, vigas e lajes em estruturas de concreto.

Em obras com betão armado moldado in loco, a montagem das armaduras é uma das etapas mais críticas. Afinal, da qualidade deste trabalho depende diretamente o desempenho da estrutura, incluindo sua resistência e durabilidade. Por isso, listamos a seguir sete boas práticas relacionadas à montagem da armação, desde o momento da compra até a liberação para a betonagem. Confira:

1 – Faça uma compra assertiva – Os cuidados com o preparo da armação devem ter início ainda no momento da compra do aço. Para a elaboração do pedido, o ideal é dispor de um mapa específico, contendo informações como o número da norma que o produto deve atender, o diâmetro, categoria e classe da barra ou do fio, assim como a quantidade, em toneladas, sempre de acordo com a previsão do projeto de estabilidade. No recebimento do material, devem ser conferidos a quantidade, o comprimento das barras, as bitolas do aço e o aspecto geral do material. É importante checar, também, se o nome do fabricante está estampado nas barras de diâmetro superior a 10 mm.

É importante que as armaduras sejam armazenadas e dispostas próximo ao local de montagem e do equipamento de movimentação para reduzir o tempo de transporte do material

2 – Planeie um armazenamento inteligente – O local para o armazenamento do aço no estaleiro deve ser adequado ao tipo de fornecimento do material, se em malhas soldadas, em barras, ou aço beneficiado. Na estocagem, barras e fios de aço devem, sempre que possível, ser armazenadas em baias separadas por diâmetro, em ambiente protegido de intempéries, sem contato direto com o solo. “É importante que as armaduras sejam armazenadas e dispostas próximo ao local de montagem e do equipamento de movimentação para reduzir o tempo de transporte do material”.

3 – Aço pré-cortado e dobrado – “O corte de fios e de barras de aço deve ser feito na bancada, seguindo as orientações e dimensões constantes no projeto de estabilidade”. Ressaltamos ser necessário, ainda, observar os transpasses e arranques mínimos em vigas e pilares no momento do corte. “Se a intenção é garantir agilidade e economia no canteiro, o mais recomendável é adquirir o aço já cortado e dobrado. Isso garante produtos na medida correta, sem perdas e sem a necessidade de mão de obra extra”.

4 – A amarração deve ser cuidadosa – A montagem das armaduras deve ser realizada sobre um cavalete ou, no caso de lajes, diretamente sobre as cofragens, após o corte das barras. No caso das armaduras de pilares e vigas, as barras de aço devem ser amarradas aos estribos com arame recozido e auxílio de uma torquês, sempre de acordo com o especificado em projeto. Em lajes, antes de iniciar a montagem é recomendável posicionar e fixar as caixas de elétrica, infra das aguas, esgotos e especiais. São documentos importantes para subsidiar a montagem das armaduras: projeto de estabilidade, projeto de cofragem, que trata das condições e meio ambiente do trabalho na indústria da construção.

5 – Garanta a correta distribuição de espaçadores – Nas estruturas de concreto, a perfeita cobertura das armaduras é um dos fatores que garantem a durabilidade da edificação. Daí a importância do uso de espaçadores (distanciadores), peças que têm a função de manter os ferros na posição certa, mesmo sob a pressão do betão fresco e de vibradores. Os distanciadores devem ser distribuídos uniformemente, conforme orientações do projetista. É possível utilizar modelos do tipo cadeirinha (indicados para lajes), circulares (para vigas e pilares) e multiapoio (para fundo de vigas e lajes muito pesadas).

6 – Fique de olho nos pontos críticos – Assegurar o correto cobrimento das armaduras e as distâncias mínimas entre barras de aço é chave para a durabilidade da estrutura. Da mesma forma as emendas das barras por transpasse, com luvas ou com solda, devem ser feitas rigorosamente, de acordo com as indicações do projeto estrutural. Vale dar atenção extra também aos casos de congestionamento de ferragem e de lajes em balanço.

Também é necessário checar se a amarração está firme nas quatro faces, de modo a evitar deslocamentos durante a betonagem, e se foram colocados protetores plásticos nas pontas dos arranques de pilares

7 – Aplique controles rigorosos – A montagem das armaduras deve ser feita sempre por profissionais especializados e com acompanhamento do encarregado e da equipe de engenharia. Antes de iniciada a betonagem, as armaduras deverão passar por conferência. “Entre os itens a serem inspecionados estão a bitola do aço, a quantidade de barras, as medidas, a compatibilização com o projeto de cofragem e de arquitetura, a disposição da armação negativa e positiva, o atendimento do cobrimento mínimo e, por fim, a limpeza”. “Também é necessário checar se a amarração está firme nas quatro faces, de modo a evitar deslocamentos durante a betonagem, e se foram colocados protetores plásticos nas pontas dos arranques de pilares”.